quarta-feira, 22 de dezembro de 2010

Ciência e Tecnologia participa do curso "Elaboração de Projetos para 7° Quadro da Finep / União Européia"

A gerente de Inovação e Difusão Tecnológica Luciane Puglisi Marreto da Secretaria Municipal de Ciência, Tecnologia e Inovação de Anápolis participou do curso “Elaboração de Projetos para 7° Quadro da Finep / União Européia” em Aparecida de Goiânia nos dias 9 e 10 de dezembro. O curso foi destinado a empresários, gestores públicos e empreendedores envolvidos com projetos de modo a aumentar as chances das empresas e instituições do estado de Goiás a obterem recursos.


A FINEP estimula a inovação com o objetivo de aumentar a competitividade das empresas nos mercados nacional e internacional e de ampliar a capacidade de exportação e de substituição de importação do País através de vários programas de aplicação de recursos públicos reembolsáveis e não reembolsáveis.

Os Programas Quadro de Pesquisa e Desenvolvimento Tecnológico da União Européia constituem o principal instrumento para financiamento da P&D na União Européia com o objetivo de apoiar e promover a competitividade européia mediante parcerias em pesquisa estratégicas com países terceiros, em campos selecionados da ciência, tecnologia e inovação.

Ciência e Tecnologia participa do curso de Implantação e Gerenciamento de Incubadoras de Empresas

O SEBRAE em parceria com a Rede Goiana de Inovação ministraram o curso “Implantação e Gerenciamento de Incubadoras de Empresas" que aconteceu entre os dias 29 de novembro e 2 de dezembro deste ano no município de Goiânia. 

Anápolis esteve bem representada através da participação da Universidade Estadual de Goiás, UniEvangélica e Prefeitura de Anápolis através da Secretaria Municipal de Ciência, Tecnologia e Inovação com a presença da gerente de Inovação e Difusão Tecnológica Luciane Puglisi Marreto.

O curso foi destinado a gerentes de incubadoras e as instituições que pretendem criar uma incubadora de empresa, como é o caso da Secretaria Municipal de Ciência, Tecnologia e Inovação que em 2011 implantará uma incubadora social no município e da UEG que irá implantar uma incubadora de base mista. Anápolis possui no momento uma incubadora de empresas (UniIncubadora) da UniEvangélica e possui 4 empresas incubadas.

O projeto é um mecanismo de geração e consolidação de micro e pequenas empresas que estimula a criação e o desenvolvimento das empresas incubadas por meio da formação complementar do empreendedor em seus aspectos técnicos e gerenciais incentivando o processo de empresariamento e inovação tecnológica.

quinta-feira, 16 de dezembro de 2010

COP 16 fecha acordo histórico para o clima

Pela primeira vez, os 194 países signatários da Convenção das Partes da ONU sobre Mudanças Climáticas concordaram que é preciso evitar o aquecimento global em mais de 2o C, sob o risco de tornar seus efeitos catastróficos e irreversíveis.

Parece pouco, mas é até hoje a Convenção, que já tem quase 20 anos, ainda não tinha um texto que reconhecesse o alerta dos cientistas de que o aumento da temperatura na Terra era uma ameaça à vida no planeta. O Acordo de Cancún deixou para a próxima Conferência (COP 17), em Durban, na Africa do Sul, o estabelecimento das metas de redução, necessárias para evitar o aquecimento e que vão substituir o Protocolo de Kyoto, em vigor só até 2011.

O Acordo de Cancún teve outros avanços importantes. Um deles foi a criação do Fundo Verde, que vai arrecadar US$ 30 bilhões dos países ricos (entre eles EUA, Japão e os países da União Européia) até 2012 e, a partir daí, mais US$ 100 bilhões por ano para financiar a adaptação dos países pobres e emergentes aos efeitos das mudanças climáticas. O Fundo será gerido inicialmente pelo Banco Mundial e depois por um comitê a ser criado pela Convenção do Clima.

Outra conquista de Cancún foi a definição de uma ajuda financeira aos países que mantêm suas florestas, como Brasil, Indonésia e Congo, por meio de um mecanismo chamado REDD (Redução de Emissões por Desmatamento e Degradação). Em princípio, o Brasil não receberá investimentos já que o primeiro valor sera destinado ao monitoramento das florestas e isso o país já faz e bem.

Também ficou acordado que EUA, China e todos os maiores emissores de gases de efeito estufa serão inspecionados para assegurar que os cortes definidos serão mesmo feitos.

O Brasil se antecipou ao anunciar, voluntariamente, um limite para as emissões, regulamentando o decreto de implementação da Política Nacional de Mudanças Climáticas (veja “Brasil anuncia teto de emissões às vésperas do fim da Cop16"). O texto das Convenções do Clima e da Biodiversidade, por dependerem do consenso de 194 países que têm em alguns casos interesses antagônicos, acabam indicando o que ainda está por vir. O fato de o Brasil reduzir suas emissões é um sinal de que o país está atento e disposto a entrar na corrida verde, determinante para o futuro da economia.

Assim como fez na COP de Biodiversidade em Nagoya, a Bolívia, apesar de não comprometer o acordo, pediu para deixar registrado que não apóia o texto, considerado vago demais. Venezuela e Arábia saudita, assim como Cuba, também se disseram insatisfeitos. As Malvinas, por outro lado, pontuaram que “o texto não é perfeito, todos os países fizeram concessões, mas os documentos representam um grande passo adiante em direção a um acordo internacional sobre o clima”. O pacote “amplo e equilibrado” de decisões havia sido finalmente obtido e, resapaldados por palmas emocionadas da platéia de negociadores e observadores, a grande maioria dos países – inclusive o Brasil – manifestou seu apoio à adoção dos textos. Às 4h30 da madrugada de sábado, o martelo foi batido, selando um fim bem sucedido às negociações da COP 16. Assim que estiverem formatados, os textos do Acordo serão disponibilizados na página da UNFCCC (http://unfccc.int).

Fonte: envolverde

sexta-feira, 29 de outubro de 2010

6ª FEIRA DE INOVAÇÃO TECNOLÓGICA

A Secretaria Municipal de Ciência, Tecnologia e Inovação participou da 6ª Feira de Inovação Tecnológica – INOVATEC que aconteceu diante do desafio da construção de uma cultura inovadora no país a através de uma programação que recebeu uma série de eventos paralelos, que aconteceram dentro da feira: a 26ª edição da Inforuso, evento de informática e telecomunicações; o 7º Congresso Brasileiro de Plantas Oleaginosas, Óleos, Gorduras e Biodiesel; o 4º Congresso Brasileiro da Rede Brasileira de Tecnologia em Biodiesel; e o Projeto Inovação Tecnológica para Defesa Agropecuária, o 1º Congresso de Inovação Empresarial, promovido pela Federação das Indústrias de Minas Gerais (Fiemg) e outros.

A Inovatec é um ambiente que estimula o diálogo em torno da inovação visando disseminar uma cultura que acelere o processo de desenvolvimento de novas soluções tecnológicas e gerenciais em benefício da sociedade. O evento reúne os atores da inovação para a exposição de demandas empresarias e ofertas tecnológicas, criando oportunidades para o desenvolvimento de parcerias globais. Com o foco em "Inovação e Negócio", a 6ª edição da Inovatec reforçou a inovação como um elemento estratégico que potencializa a competitividade de um país, criando diferenciais no mercado nacional e internacional. Nesse contexto a Gerente de Inovação e Difusão Tecnológica da Secretaria Municipal de Ciência, Tecnologia e Inovação de Anápolis Luciane Puglisi Marreto participou do evento que aconteceu entre os dias 5 e 8 de outubro no Expominas em Belo Horizonte, Minas Gerais.

O evento possui como objetivos: Promover a integração entre empresas, instituições de ciência e tecnologia (ICT), pesquisadores e governo para o intercâmbio de novas tecnologias, processos, produtos e serviços inovadores; Gerar o desenvolvimento de novos negócios e projetos de pesquisa, para maior competitividade das empresas mineiras no Brasil e no mundo; Oferecer suporte para viabilizar novos projetos de inovação; Facilitar a obtenção de recursos financeiros para o desenvolvimento de projetos; Realizar encontros de inovação com o foco em pesquisa, negócio e sustentabilidade.

segunda-feira, 23 de agosto de 2010

Carne do futuro pode ser artificial, diz cientista


Se você gosta de carne, corra para uma churrascaria, porque renomados cientistas acreditam que em 40 anos não haverá suculentos bifes para todo mundo. Muitos terão de comer carne produzida em laboratório.

A advertência faz parte de uma série de 21 artigos científicos encomendados pelo governo britânico para projetar a situação alimentar do mundo em 2050. As conclusões: a população será de 9 bilhões de pessoas, e o consumo per capita de alimentos também crescerá, principalmente nos países em desenvolvimento.

Por isso, será necessário aumentar muito a produção de alimentos. Haverá competição por terra e por água, e o preço da comida vai subir.

Nos últimos anos, a tecnologia ajudou. Técnicas de plantio, melhora nas sementes e controle de pragas aumentaram a produtividade.

Na pecuária, estudos genéticos, inseminações artificiais e redução de doenças fizeram os animais terem mais peso (30% a mais no caso das vacas desde 1960) e darem mais leite (30% a mais por vaca no mesmo período).

Chegará um momento, porém, em que preconceitos deverão ser deixados de lado. Aí entra a carne artificial, ou produzida em laboratório.

"A carne in vitro já se provou factível e pode ser produzida de uma forma mais saudável e higiênica que na pecuária atual", disse Philip Thornton, do Instituto Internacional de Pesquisas em Pecuária de Nairóbi, no Quênia.

Estudos sobre carne in vitro começaram há cerca de dez anos. Trata-se de retirar células de um animal vivo e fazer com que se reproduzam até virar tecido muscular. Em janeiro, europeus criaram carne de porco assim.

Curioso é que a discussão surja agora, quando o Reino Unido investiga se a carne de filhos de uma vaca clonada foi aos mercado sem aviso a autoridades e consumidores.

Para os cientistas, a necessidade poderá obrigar a população que hoje teme animais clonados a aceitar a carne produzida em laboratório

Fonte: Folha UOL

A COP 16 está chegando!!

A proxima Conferencia das Partes (COP-16) está marcada para novembro de 2010, no México, e a expectativa é de que muitos temas não claramente finalizados na conferencia passada (COP-15 - Copenhague) venham a ser definidas agora.

Diversos temas como: fundo de U$ 100 bilhoes, entrada do EUA, compromisso de redução da China serão re-avaliados!

Os mexicanos estão animadíssimos, na semana passada, organizações estão exigindo do governo para conseguir um acordo vinculante de redução de emissões.

Acesse o site da A.Fujimoto Consultoria e Projetos para mais informações.

E o Brasil como fica?

O Brasil, além das eleições que ocorrerá, possui uma grande tarefa que é começar a cumprir o Plano Nacional de Mudanças Climáticas, sancionado pelo presidente Luiz Inácio Lula da Silva.

As metas traçadas até 2020 pela lei são de reduzir as emissões de gases poluentes entre 36,1% e 38,9%.

“Já estamos promovendo discussões internas de como montar o processo de consultas e propostas a serem discutidas entre ministérios, setores produtivos e os estados. O detalhamento das ações será disposto por decretos e é nisso que vamos trabalhar agora”, informa a diretora de Mudanças Climáticas do MMA.

Além da nova legislação, o segundo inventário das emissões de gases no Brasil será concluído este ano.

No fim de 2009, uma síntese do material foi divulgada, mas sua finalização vai permitir projeções e desenhos de ações públicas compatíveis com a política do clima, o que é fundamental para que o plano tenha efeito prático. “O interessante é que a lei projeta planos setoriais e discrimina como os diversos setores devem caminhar para a consolidação de uma economia de baixo carbono”, diz Branca.

quinta-feira, 5 de agosto de 2010

IPCC

IPCC é o Painel Intergovernamental sobre Mudanças Climáticas, um órgão da Organização das Nações Unidas que nasceu em 1988 com o objetivo de avaliar e monitorar o clima mundial e suas alterações.
Composto por 130 países, o trabalho é realizado em 4 etapas e produzido por 3 grupos de trabalho. O primeiro é responsável pelo primeiro capítulo, que reúne evidencias científicas de que a mudança climática se deve a ação do homem, o segundo trata das conseqüências da mudança climática para o meio ambiente e para a saúde humana, o terceiro estuda maneiras de combater a mudança climática e prover alternativas de adaptação das populações e o quarto capítulo sintetiza as conclusões dos anteriores.
Em 2007 foi divulgado o primeiro relatório sobre mudanças climáticas se tornando este órgão referencia neste assunto. Outros relatórios foram lançados em 1990 quando foi criado a Convenção Quadro das Nações Unidas para Mudanças do Clima, em 1995 cujas discussões resultaram na adoção do Protocolo de Kyoto dois anos depois, em 2001 quando os cientistas afirmaram que as mudanças climáticas tinham 66% de chance de estar sendo provocada pela ação humana e em 2007 quando essa estimativa passou a ser de 90%.
O IPCC, no entanto concluiu que provavelmente o maior culpado pelas mudanças climáticas é o homem através da emissão de gases de efeito estufa. Deste modo os cientistas afirmam que até o final do século a temperatura irá aumentar entre 1,8ºC e 4ºC, 1/3 das espécies do mundo estará ameaço de desaparecer, as calotas polares irão derreter e o nível do mar irá elevar entre 18 cm e 58cm até 2.100 aumentando o número de refugiados ambientais e 1 bilhão de pessoas ficarão sem água potável.
A solução apontada pelo IPCC é que as emissões de gases de efeito estufa (GEE) devem ser reduzidas em quantidade significativa até 2.030.

quinta-feira, 15 de julho de 2010

Efeitos prejudiciais do sistema monetário vigente

Existem muitas desvantagens de usar esse velho método de troca para bens e serviços. Iremos considerar aqui apenas alguns e deixar você aumentar esta lista por si mesmo.
1. O dinheiro é apenas uma interferência entre o que um pessoa precisa e o que ela pode obter. Não é de dinheiro que as pessoas precisam, é de acesso aos recursos.
2. O uso de dinheiro resulta em estratificação social e elitismo baseados primeiramente em disparidades econômicas.
3. As pessoas não são iguais sem iguais poderes de compra.
4. A maioria das pessoas são escravas de empregos dos quais não gostam porque precisam de dinheiro.
5. Há uma tremenda corrupção, ganância, crime, fraude e muito mais por causa da necessidade de dinheiro.
6. A maioria das leis são decretadas em benefício das corporações, que tem dinheiro suficiente para praticar lobby, ou persuadir oficiais do governo a criarem leis que servem aos seus interesses.
7. Aqueles que controlam o poder aquisitivo possuem maior influência.
8. O dinheiro é usado para controlar o comportamento daqueles com poder de compra limitado.
9. Bens como alimentos são às vezes destruídos para manter os preços altos; quando as coisas são escassas os preços sobem.
10. Há um tremendo desperdício de material e abuso dos recursos disponíveis nas mudanças superficiais no design de produtos da moda todo ano a fim de se criar mercados contínuos para os fabricantes.
11. Há uma tremenda degradação ambiental devido ao custo elevado de métodos melhores de tratamento de lixo.
12. A Terra está sendo saqueada por lucro.
13. Os benefícios da tecnologia são somente distribuídos para aqueles com poder de compra suficiente.
14. E o mais importante, quando o fator principal da corporação é o lucro, as decisões em todas as áreas são feitas não em benefício das pessoas e do meio ambiente, mas primariamente para a aquisição de riqueza, propriedade e poder.

Visão do "Projeto Vênus" a respeito do dinheiro

Se todo o dinheiro do mundo fosse destruído, contanto que tivéssemos suficiente terra arável, as fábricas, os recursos necessários, e a equipe técnica, poderíamos construir qualquer coisa e até suprir com abundância. Durante a Grande Depressão, havia aspiradores de pó nas vitrines das lojas e automóveis nas concessionárias. A Terra ainda era o mesmo lugar. Apenas não havia nenhum dinheiro nas carteiras das pessoas e o poder de compra era muito pequeno. No início da Segunda Guerra Mundial, Os EUA tinham cerca de 600 aviões de combate de primeira classe. Nós rapidamente superamos esse suprimento limitado ao produzirmos mais de 90 mil aviões por ano. A questão no início da Segundo Guerra Mundial era: temos fundos o bastante para produzir os instrumentos de guerra necessários? A resposta era: não, não temos dinheiro ou ouro o bastante, mas temos recursos de sobra. Foram os recursos disponíveis e o pessoal técnico que possibilitou que os EUA atingissem a produção e eficiência precisos para vencer a guerra.

Parece que a verdadeira riqueza de qualquer nação são seus recursos naturais e seus habitantes que trabalham por um estilo de vida mais humano através da eliminação da escassez. Todos os sistemas sociais, independendo da filosofia política, crenças religiosas ou costumes sociais, em última análise, dependem dos recursos naturais -- isto é, ar e água limpos e regiões de terra arável -- e o equipamento industrial e pessoal técnico para um padrão elevado de vida. O sistema baseado em dinheiro foi projetado centenas de anos atrás e dificilmente é apropriado à nossa época. Nós ainda utilizamos o mesmo sistema antiquado, o qual é provavelmente responsável pelo maioria dos problema atuais. Eu estou certo de que até a pessoa mais rica de hoje estaria em condição muito melhor na sociedade energética que o Projeto Venus propõe.

Se todas as cidades fossem assim!

terça-feira, 13 de julho de 2010

Camara dos Deputados aprova reforma do Código Florestal

Comissão Especial da Câmara aprovou, por 13 votos favoráveis e cinco contrários, o relatório do deputado Aldo Rebelo (PCdoB-SP) de reformulação do Código Florestal, que acaba com a classificação de diferentes tipos de vegetação, que se dividiam em formação campestres, florestal e savânica.
A diferenciação, de acordo com alguns parlamentares, poderia provocar conflitos judiciais, considerando a difícil classificação dos tipos de vegetação.
Outra sugestão aceita por Rebelo foi juntar, num mesmo dispositivo, a questão da moratória de cinco anos sem abertura de novas áreas de plantio e a consolidação das existentes até julho de 2008.
Os ocupantes de propriedades que podiam ter áreas maiores desmatadas, no início da ocupação, não serão obrigados a recompô-las nem serão punidos, já que obedeceram à legislação vigente na época.
Aldo Rebelo manteve o prazo máximo para recomposição das áreas desmatadas em 20 anos. A lei atual prevê prazo de 30 anos, mas Rebelo afirmou que já estão previstos os cinco anos de moratória, que serão somados aos 20.
Com relação à Reserva Legal, o relator afirmou que a vegetação remanescente nas propriedades com até quatro módulos fiscais deve ser preservada, porém nos limites previstos para o bioma. Esses limites são de 80% nas florestas da Amazônia Legal, 35% no Cerrado e 20% nas demais áreas campestres.
Na tentativa de buscar o consenso entre ambientalistas e ruralista, o relator acatou sugestão de membros da comissão e tirou da competência do Estado a possibilidade de ampliar ou reduzir pela metade as Áreas de Proteção Permanente (APPs).
Outro ponto do relatório aprovado é a dispensa de recomposição de reserva legal em propriedade com até quatro módulos rurais, cujas áreas já tenham sido consolidadas para produção. As áreas preservadas deverão ser mantidas.
O próximo passo é votar a matéria no plenário, o que está previsto para depois das eleições de outubro.
Fonte: mundogeo

segunda-feira, 5 de julho de 2010

Movimento Zetgeist em reposta ao vazamento de óleo no Golfo do México


O impacto ainda se espalha entre os milhões de cidadãos norte-americanos que moram na Costa do Golfo à medida que nos damos conta da verdadeira extensão dos danos. Esse desastre é o resultado da demanda e consequente exploração desenfreada de recursos finitos como o petróleo, um combustível fóssil reconhecidamente perigoso. Tal demanda crescente caracteriza a perpetuação de nossa sociedade monetária que já mostra sinais de obsolescência, pois tem o lucro como meta principal, sejam quais forem os custos em perdas humanas ou ambientais.É tempo de buscarmos soluções viáveis para transformar um sistema intrinsecamente fadado à auto-destruição!


Diante desse quadro tão lamentável nós, do Movimento Zeitgeist, queremos nos engajar num debate internacional para enfatizar a necessidade de que aconteça uma verdadeira mudança na sociedade. Essas palavras não fazem parte de algum tipo de slogan ultranacionalista criado por um grupo de discussão. Elas expressam o desejo manifesto do povo por uma mudança significativa, livre do legado destrutivo atual, carregado de erros cometidos enquanto civilização em processo de amadurecimento. Temos só um planeta Terra e não há a opção de "apertar o reset".


Precisamos romper com nossas ideologias estabelecidas que têm impedido o desenvolvimento. A chave para romper com as evidentes amarras históricas é acabar com a dualidade política, a estratificação econômica e as falsas divisões. São elas que determinam que o nosso futuro prometido permaneça apenas uma ilusão. Precisamos repensar nossa sociedade e romper com todas essas amarras que nos paralisam.


Na sexta-feira, 30 de abril, a CBS News (EUA) noticiou que o vazamento do óleo chegara a cobrir 5.400 quilômetros quadrados e continuava a se expandir a uma taxa equivalente a até 5 mil barris (quase 800 mil litros) por dia . Até o presente momento, não houve nenhum progresso no sentido de controlar esta catástrofe. Isto não precisava ter acontecido; só ocorreu porque continuamos a usar uma tecnologia obsoleta que visa apenas a manutenção do sistema vigente voltado ao lucro. Sistema este que perpetua uma ampla desigualdade salarial entre trabalhadores e empresários, que destrói ecossistemas frágeis e vitais e polui o ar que respiramos.


Está na hora de promovermos mudanças reais, e não de continuar a aceitar mais promessas vazias. Nenhuma dose de socialismo ou de ideologia neoliberal irá nos salvar de nós mesmos. É preciso haver uma reavaliação profunda sobre o que acreditamos, com o objetivo de alcançar a sustentabilidade no empreendimento humano.


Nossa geração ficou assistindo passivamente ao planeta ser violado e saqueado, ainda assim, nada fazemos. Nossa geração ficou assistindo passivamente aos governos socorrerem justamente as pessoas que criaram esta grande crise econômica e, ainda assim, nada fazemos. Nossa geração ficou assistindo passivamente aos nossos direitos serem arrancados e, ainda assim, nada fazemos. Nossa geração ficou assistindo passivamente a nos presentearem com os problemas criados por incontáveis gerações anteriores -- e estamos nos preparando para fazer o mesmo com a próxima geração -- mas nada fazemos.


Sejamos a primeira geração a oferecer soluções para nossos filhos e filhos de nossos filhos. Mas não podemos fazer isso sozinhos. Quebremos as barreiras que criamos entre nós. Precisamos de todos e de cada um de vocês para dizer um basta em uníssono. Não como norte-americanos ou russos, cristãos ou muçulmanos, mas como pais, mães, irmãos e irmãs. Vamos romper com as barreiras que nos separam e trabalhar para criar um mundo onde as nossas crianças estejam verdadeiramente seguras e livres. Um mundo no qual possamos dizer aos nossos filhos que eles podem ser e fazer tudo o que seus corações desejarem, tendo dentro de nós a certeza de que dizemos a verdade. Que a nossa geração seja a que fez a diferença!


Temos as ferramentas, temos o conhecimento, temos a tecnologia. É hora de fazer a transição para um mundo, uma economia e um futuro que todos nós mereçamos, independentemente de posição geográfica ou orientação econômica. Enquanto nos basearmos em sistemas antigos, estabelecidos por uma mentalidade de século XIX, continuaremos a andar em círculos enquanto uma série de catástrofes ecológicas e econômicas nos fazem visitas regulares. É hora de quebrar esse círculo vicioso pois, como você irá descobrir, existe sim uma maneira melhor de viver.


Nós, representantes do Movimento Zeitgeist, chegamos até você com a proposta de trabalharmos todos juntos e fazer o que precisa ser feito. Todo homem, mulher e criança tem uma voz, mas juntos podemos criar uma voz tão ensurdecedora que ninguém terá outra escolha senão ouvir. Mas isso requer a sua participação, exige que você ponha de lado as ideias preconcebidas que lhe foram passadas sobre "como as coisas são", como se esta fosse a única maneira, porque não é! Nosso modo de pensar não será mais capaz de nos sustentar. Podemos permanecer no castelo de cartas que construímos e vê-lo desmoronar à nossa volta. Ou, usando o que de melhor a nossa sociedade tem a oferecer, podemos começar a construir uma sociedade estável, madura e próspera, para que esse vazamento de óleo na Costa do Golfo ou o acidente com o cargueiro Exxon Valdez e tantos outros não passem de uma embaraçosa nota de rodapé em nossa história.


Movimento Zeitgeist (cont)

  • Tem como foco inicial as questões que afetam a todos no planeta(pesquisa/comida/água);
  • é um movimento social, não um movimento econômico/político/religioso;
  • não é uma utopia;
  • Tem como premissa a disponibilização de tecnologia de alta eficiência para resolução de problemas básicos do ser humano;
  • é o braço ativista do projeto Vênus > http://www.thevenusproject.com

sábado, 3 de julho de 2010

Movimento Zeitgeist


  • Recursos naturais devem ser considerados patrimônio da humanidade e não do Estado ou dos países;

  • Num sistema em que escassez gera lucro, sempre faltará para a maioria;

  • Todo ser humano tem capacidade de criar e inovar;

  • Políticos não possuem capacidade de resolver problemas. Os engenheiros possuem;



Seja a mudança que você deseja ver no mundo

Toronto vira praça de guerra durante G20 e a tv brasileira não mostra nada

Nos dias 25, 26 e 27 de junho de 2010, aconteceu em Toronto no Canadá, a reunião do G20, onde os “todo-poderosos do sistema” (stablishment), os banqueiros aliados às grandes corporações, decidem qual será o andamento e a cooperação entre os países e também estabelecer os juros nos diversos bancos no mundo.

Logo no primeiro dia milhares de estudantes e de grupos ativistas saíram às ruas para protestar contra a falta de responsabilidade das grandes empresas com a ecologia e com o cidadão, contra a falta de responsabilidade do estado frente às questões sociais, contra a democracia que deveria ser do povo, pelo povo, para o povo e na verdade não é porque o Estado e as grandes corporações defendem seus próprios interesses.

A manifestação foi pacífica e muito numerosa num primeiro momento. Porém, a polícia num contingente de 20 mil homens bloqueou as ruas por onde transitava a passeata dos manifestantes. E, para tentar dispersar os movimentos, infiltrou agentes disfarçados de manifestantes para promover violência. Três deles foram descobertos usando o mesmo coturno que é de uso da polícia, numa farsa montada pela própria Polícia, que apareceu logo em seguida falando na TV canadense que o orçamento previsto para a Policia era muito baixo para conseguir controlar aquela situação e que deveria aumentar de 300 mil dólares para 1 milhão de dólares, no mínimo. Ao mesmo tempo em que tentava culpar os grupos ativistas e os anarquistas pela violência que estava acontecendo nas ruas.

Durante as filmagens de vídeos amadores um homem fala que percorreu 24 quarteirões e não viu um policial se quer nas ruas no momento em que homens vestidos de preto até a cabeça ateavam fogo nos carros da policia que pareciam abandonados. Logo em seguida, jovens anarquistas dos subúrbios também atearam fogo nos carros da policia, quebraram vidraça dos bancos e das empresas multinacionais do local.

A policia espancou de maneira deliberada estudantes, manifestantes e pacifistas que estavam protestando nos diversos locais da cidade. Mais de 7 mil pessoas foram presas durante 3 dias de confrontos e milhares ficaram feridas.

Enquanto isso a TV brasileira apenas exibia notícias sobre a copa do mundo. Mesmo os sites de notícias tentaram filtrar esses acontecimentos. O site G1.COM.BR não mostra nada.Mesmo as redes de TV locais de Toronto tentaram manipular a realidade, até que começaram a surgir os vídeos no youtube.

Seguem alguns vídeos:

A violência da Policia
http://www.youtube.com/watch?v=w-APz8Kz8v8&feature=youtu.be

Os Agentes da policia infiltrados
http://www.youtube.com/watch?v=aeG_t9abaSU

Os Agentes da policia infiltrados – repare as botas dos 3
http://www.youtube.com/watch?v=ZMuASLaB6Xs&feature=youtu.be

Homens de Preto – Policiais disfarçados ou manifestantes?
http://www.youtube.com/watch?v=yo0wMR-nc6Y&feature=related

Policiais atacando os jornalistas
http://www.youtube.com/watch?v=lMqj24y5dXY

O pânico e a violência nas ruas!
http://www.youtube.com/watch?v=I-h-YIj4jRw
http://www.youtube.com/watch?v=nOjGdvju-po

A mulher gritando
http://www.youtube.com/watch?v=YuetaYBHUhY&feature=youtu.be

O pânico e a violência nas ruas – vídeo pesado!
http://www.youtube.com/watch?v=I-h-YIj4jRw

Primeiro dia de protesto - apenas passeata
http://www.youtube.com/watch?v=66ldM3esX7E


--


--

quinta-feira, 17 de junho de 2010

Reciclagem de resíduos sólidos - Retalho de couro moído

Resíduo da indústria de curtumes e calçados viram paredes de casas populares
Retalhos de couros que iriam parar em terrenos baldios, lixões ou aterros sanitários se transformam em parede de casa. Essa é a tecnologia criada pela Couroecol, empresa que faz materiais de construção com bloco, tijolos e lajotas a partir de sobras da indústria de curtumes e calçados.

A idéia consiste em moer o couro e misturá-lo a um composto natural à base se água até virar uma massa homogênea. Esse preparo é prensado até chegar ao material desejado. O resultado é um produto de baixo custo que pode ser utilizado na construção de moradias populares sem gerar nenhum resíduo.

Além de resistente, o material obtido funciona como isolante térmico, diminuindo a necessidade do uso de ar condicionado no verão e aquecedor no inverno.

terça-feira, 15 de junho de 2010

Composteira com minhocas para reciclagem de resíduos orgânicos

Um destino responsável para os resíduos orgânicos de residências e estabelecimentos comerciais.



A falta de opção prática para a compostagem de resíduos orgânicos no ambiente urbano faz com que sejam tratados como lixo comum quando podem ser reutilizados localmente, no próprio ambiente urbano. Esse desperdício diminui a vida útil de aterros sanitários, aumenta a emissão de gás metano, e ainda, polui o lençol freático.

Transformação de Pet em Fios e cordas

O crescente consumo de embalagens Pet (Politereftalato de Etileno) no Brasil foi o que motivou o desenvolviemtno dessa tecnologia que transforma embalagens de garrafa Pet e fios e cordas. Com o produto final, é possivel manufaturar cerdas de escovas e vassouras, varal doméstico, assentos, encostos de cadeiras, cestos, esteiras de praia, peças de decoraçao como luminárias, cortinas, entre outros. Quando descartados, esses produtos ingressam novamente no ciclo da reciclagem de plástico.


A garrafa Pet, matéria-prima para esse processo, é obtida a partir da triagem, lavagem e corte do plástico para posteriormente ser transformado em fios e cordões que podem ser amplamente empregados em substituiçõ ao polipropileno, atualmente empregado na produção de cordas para amarração. O didferencial dessa tecnologia, em relaçao às atividades artesanais semelhantes de reaproveitamento de Pet,é o baixo custo e produção em escala industrial.


As principais vantagensda podução de fios e cordas de Pet são:

*Geração e aumento de renda para as cooperativas de reciclagem;
*Colaboração para aumento da vida útil de aterros e lixões;
*Diminuição do uso de recursos naturais;
*Realização de programas de educação ambiental em escolas e comunidades;
*Economia de água e energia, considerado que o material não necessita de transformação química;
*Comercialização de produtos sustentáveis;
*Incentivo à população para uma atitude responsável e cidadã.

segunda-feira, 14 de junho de 2010

Marina: mudança no Código Florestal é retrocesso

Catarina Alencastro:

A pré-candidata do PV à Presidência, Marina Silva, convocou ontem os demais presidenciáveis a se manifestarem sobre mudanças propostas pelo deputado Aldo Rebelo (PCdoB-SP) no Código Florestal brasileiro.

Classificando as alterações como maléficas e chamando o relatório de retrocesso, Marina disse que quem quiser governar o país não poderá ser omisso sobre o tema. Para ela, a escolha de um ano eleitoral para flexibilizar a legislação ambiental não tem "o melhor dos objetivos".

— Qualquer pessoa que queira governar este país sinalizando o princípio da responsabilidade social e ambiental deve se pronunciar em relação a esse relatório, sob pena de se omitir ou de ser conivente. É uma questão suprapartidária — afirmou.

Marina defendeu que as bancadas se mobilizem para impedir as mudanças. Citando as reduções no desmatamento na Amazônia — de 27 mil km2 desmatados em 2004 para 7 mil km2 em 2009 —, disse que a destruição das florestas pode dobrar, caso o relatório seja aprovado.

A seu lado, André Lima, ex-funcionário do Ministério do Meio Ambiente e pesquisador do Instituto de Pesquisa Ambiental da Amazônia (Ipam), calculou que o relatório perdoa o desmatamento de 40 milhões de hectares na Amazônia e no cerrado.

Com a dispensa da reserva legal para pequenos agricultores, outros 70 milhões de hectares deixariam de ser preservados. As duas medidas gerariam, segundo o Ipam, a emissão de 25 bilhões de toneladas de poluentes.

A ex-ministra disse que, depois que saiu do governo Lula, houve retrocessos, como a regularização fundiária da Amazônia, que "doa 67 milhões de hectares de terras públicas".

A pré-candidata disse que, se as mudanças forem efetivadas, o Brasil não conseguirá cumprir a meta que assumiu em Copenhague, de reduzir em até 39% as emissões de gases até 2020.

Para evitar a aprovação, disse que tentará relatar a matéria quando esta chegar ao Senado e trabalhará para modificá-la.

— A sociedade vai ter que dizer se quer uma legislação que proteja florestas, biodiversidade e recursos hídricos, ou se quer que a gente volte para o tempo da terra sem lei — ponderou.
Fonte: o globo

sábado, 5 de junho de 2010

Novo Código Florestal

A legislação ambiental brasileira é considerada como uma das melhores em todo o mundo, mas estamos correndo um sério risco de sofrermos um retrocesso.
Deputados da "bancada ruralista" querem introduzir uma proposta para destruir o Código Florestal, tentando reduzir dramaticamente as áreas protegidas, incentivando o desmatamento e crimes ambientais.
Umas das propostas de alteração do Código Florestal são:
-Reduzir a Reserva Legal na Amazônia de 80% para 50%;
-Reduzir as Áreas de Preservação Permanente como margens de rios e lagos, encostas e topos de morro;
-Anistia aos crimes ambientais, sem tornar o reflorestamento da área uma obrigação;
-Transferir a legislação ambiental para o nível estatal, removendo o controle federal;
A proteção das florestas e comunidades rurais depende do Código Florestal.

sexta-feira, 4 de junho de 2010

Assembléia Geral - 2010

No dia 12 de maio de 2010 ocorreu a Assembléia Geral da ONG EPA BARRUS, cuja pauta tinha como objetivo discutir a estrutura interna da entidade.
Foi apresentada a proposta de composição da Superintendencia Executiva, Conselho Diretor e Conselho Fiscal para a gestão 2010-2012, a saber:
Edwiges Conceição Carvalho Correia - Superintendente Executiva
Heider Moraes Araújo - Conselho Diretor
Sandra Rachel Rodrigues Barbosa - Conselho Diretor
Diego Leonardo Ferreira - Conselho Diretor
Luciane Puglisi Marreto - Conselho Fiscal
Cinthia de Almeida Ribeiro - Conselho Fiscal
Rodrigo Abreu Simões - Conselho Fiscal

domingo, 16 de maio de 2010

ECO SHOWER SLIM

Um banho de economia - regulador de temperatura de chuveiro reduz o consumo de água e energia em até 40%.
Permite ao sário ajustar a temperatura ideal, fornecendo a quantidade de energia elétrica necessária para a resistencia do chuveiro, evita choque elétrico do usuário, é adaptável a chuveiros elétricos comuns, pode ser instalado em sistemas aquecimento solar como apoio elétrico.
Foi desenvolvido, patenteado e fabricado na kl Telecom, a inovação foi testada pela UNIFEI - Universidade Federal de Itajubá.
Além de beneficios ambientais, o Eco Shower Slim promove a inclusão social, pois com um acessório permite aos usuários cadeirantes, idosos, e doentes que tomem banhos sentados, ajustando com total conforto, segurança e independencoia a melhor temperatura para o banho.

Sistemas Tubulares de Iluminação Natural


Sistema de iluminação natural com filtro UV permite que 99,7% da luminosidade externa seja conduzida para ambientes internos.

Projetada para uso em área construída, urbana e rural, as luminárias captam, transmitem e difundem a luz solar para dentro de ambientes internos.

A luminosidade é transferida sem perda por até 15 metros.

Não transmite calor, utiliza materiais reciclados em suas lentes e outros componentes.

Economiza em média entre 37% e 47% da energia elétrica em Kilowatts/h gasta com luz artificial, porem, dependendo do projeto pode economizar até 86%.


3ª Mostra de Tecnologias Sustentáveis


A Mostra de Tecnologias Sustentáveis tem como objetivo reunir e disseminar informações e conhecimentos sobre tecnologias sustentáveis disponíveis, visando a intensificação de seu desenvolvimento, produção e uso por indivíduos e organizações públicas e privadas.


"Tecnologias Sustentáveis" compreendem metodologias, técnicas, sistemas, equipamentos ou processos ecnomicamente viáveis, passíveis de serem produzidos e aplicados de forma a minimizar os impactos negativos e a promover impactos positivos no meio ambiente, na qualidade de vida das pessoas e no desenvolvimentos socio ambientalmente sustentável.


Sem a pretensão de ser uma feira de produtos, de empresas ou de ciências, esta exposição tem como objetivo proporcionar ao visitante um ambiente de tecnologias sustentáveis, assim como suas limitações e os requisitos para o seu adequado desempenho.


A Mostra também não tem a pretensão de trazer soluções definitivas para problemas sociais, economicos e ambientais que enfrentamos no Brasil e no mundo. A idéia é trazer o que tem sido desenvolvido, seja inovador ou derivado do co nhecimento tradicional, para que juntos possamos conhecer e analisar caminhos possíveis para chegarmos a um mundo que todos queremos.

sábado, 15 de maio de 2010

Mostra de Tecnologias Sustentáveis



EPA Barrus esteve presente na Conferencia Internacional 2010 - Empresas e Responsabilidade Social da Terceira Edicação da Mostra de Tecnologias Sustentáveis do Instituto Ethos de 11 a 14 de Maio de 2010 no Hotel Transamérica, em São Paulo.


Publicarei fotografias e alguns dos temas debatidos na ocasião.

sexta-feira, 7 de maio de 2010

Motivos e desmotivos de Belo Monte

Por Dal Marcondes, da Envolverde

A hidrelétrica do Xingu será construída. Duas perguntas, no entanto, não conseguiram respostas em quase 30 anos de discussões. A primeira é: Por quê Belo Monte? A segunda é: Por quê não Belo Monte?“
A usina de Belo Monte será construída para que o Brasil tenha a energia necessária para seu desenvolvimento”. Este é o discurso das autoridades, que resolveram desde 2009 incluir a obra no Programa de Aceleração do Crescimento (PAC) e apostar na construção da terceira maior hidrelétrica do mundo em uma região de grandes fragilidades ambientais e sociais.
O rio Xingu, onde a usina será implantada, é o maior afluente do rio Amazonas e um dos cursos d´água de maior biodiversidade do planeta. Só ele carrega mais vida do que todas as bacias hidrográficas da Europa. Mas não é só. O rio, em um ponto abaixo da projetada barragem, banha o Parque Indígena do Xingu, moradia de 14 etnias e cerca de 5 mil índios. Parque e índios precisam do rio e de sua biodiversidade para viver.
A construção de Belo Monte, segundo os valores apresentados no leilão do qual participaram dois consórcios liderados por empresas estatais, Chesf e Furnas, deverá custar R$ 19 bilhões, algumas estimativas, no entanto, apontam que pode chegar a R$ 30 bilhões. Como reforço à presença do Estado no empreendimento, O BNDES pode emprestar ao consórcio vencedor R$ 15,6 bilhões, a segunda maior operação de crédito de sua história. Isto, para oferecer ao Brasil 4.5 mil MW. Os movimentos ambientalistas e diversos especialistas em energia apontam que este dinheiro poderia conseguir o mesmo objetivo se fosse investido na redução das perdas das linhas de transmissão, que no Brasil chegam a 15% do que é gerado, contra 5% na Europa e 1% no Japão, e em programas de eficiência energética que reduzam os desperdícios no uso da eletricidade. Um estudo da Unicamp e do WWF aponta que apenas com estas medidas o país poderia colocar à disposição da sociedade 30% mais de energia sem investir um centavo em novas usinas.
Um sobrevoo sobre o Parque Indígena do Xingu mostra que o desmatamento sistemático avançou sobre a floresta até suas bordas. São campos de soja e pastos para a criação de gado que estão comprometendo nascentes e arrancando da mata sua capacidade de manter a vida. A floresta resiste ainda intacta apenas nos 26 mil quilômetros quadrados do parque. “Esta á a principal área de preservação no arco do desmatamento e a área desmatada na região dobrou nos últimos dez anos”, explica Marcio Santili, do Instituto Socioambiental, ONG que atua junto aos povos indígenas. Pelo projeto original, apresentado pelo sertanista Orlando Villas Boas e seus irmãos, as nascentes do rio Xingu deveriam ser incorporadas à área indígena. Em 1961, quando o Parque foi criado, as nascentes do Xingu ficaram de fora, o que abriu a brecha para a discussão sobre Belo Monte, ou Kararaô, como o projeto era chamado no tempo do regime militar.
São apenas 5 mil índios que se refugiam no Parque do Xingu, mas que representam a cultura e um modo de vida que querem preservar. Os desafios de conviver com o não índio impõe aos povos do Xingu a necessidade de fortalecer seus laços com a natureza e com seu passado. No entanto, motocicletas e outros chamarizes das cidades arrancam dos jovens a vontade de ser índio. “No tempo de meus avós a gente não precisava se preocupar com a língua e com as tradições, elas eram passadas normalmente para os jovens”, explica Afukaka Kuikuro, cacique dos Kuikuros que criou um centro de documentação em sua aldeia no Xingu. Ele conta que outros povos já esqueceram seus cantos e que quase já não há pajés nas aldeias. “É preciso estudar muitos anos para se tornar pajé”, explica. E o pajé não é apenas o médico dos índios, é também guardião dos conhecimentos, das histórias, das tradições e da cultura.
A construção da usina de Belo Monte é uma ameaça a mais para os povos indígenas. Não apenas porque a obra vai impactar o rio Xingu, mas também porque cerca de 80 mil operários serão levados para a região para trabalhar nas empreiteiras que vão erguer a usina. Estas pessoas vão interagir com os índios e os conflitos virão. As meninas, indígenas ou não, que vivem com suas famílias nas proximidades das obras vão ser assediadas pelo dinheiro dos operários, assim como já aconteceu e acontece em muitas obras por esse grande interior do Brasil.
Segundo o jornalista Washington Novaes, que produziu os documentários “Xingu Terra Mágica”, de 1984 e “Xingu Terra Ameaçada”, de 2006, a movimentação de terra para a construção da hidrelétrica será superior à do Canal do Panamá, 160 milhões de metros cúbicos de terra e 60 milhões de metros cúbicos de rochas, “um indício do tamanho do impacto que a obra terá na região, sem contar a necessidade de realocação de mais de 80 mil moradores”, diz. Novaes alerta para a falta de interesse do setor elétrico por projetos de eficiência energética, e aponta resultados bastante tangíveis, como o programa implantado nos Estados Unidos após o primeiro choque do petróleo, em 1973, quando o país colocou em operação um grande plano de conservação e eficiência energética e, durante 15 anos mantiveram o consumo de energia estável, mesmo com um crescimento do PIB de 40% no mesmo período.
Outra questão que deveria ser colocada é “para que será usada a energia de Belo Monte?” Tucurui, atualmente a maior hidrelétrica em operação na Amazônia, gera 7,9 mil MW e direciona a maior parte desta eletricidade para a produção de alumínio em dois polos exportadores, Alumar, no Maranhão, e Alunorte, no Pará. São atividades eletro-intensivas que não podem mais ser implantadas na Europa ou nos Estados Unidos. Certamente o desenvolvimento do Brasil precisa de energia. Mas esta energia pode vir de muitas fontes, inclusive da queima do bagaço de cana, que apenas na atual safra oferece um potencial igual ao de Belo Monte. Não em uma mega obra, mas em dezenas de pequenas usinas espalhadas pelo Brasil e já próximas aos centros de consumo. A diversificação da geração em usinas menores, movidas a biomassa e energia eólica, é uma alternativa aos grandes projetos programados para a Amazônia, e parte de uma nova maneira de enxergar o desenvolvimento. (Envolverde)
Artigo produzido originalmente para a revista Carta Capital
Em 2006 o autor esteve no Xingu acompanhando o jornalista Washington Novaes para o lançamento do documentário "Xingu, terra ameaçada".

Petrobras lança mapas online com espécies nativas da Amazônia

Informações sobre mais de 100 espécies nativas da Amazônia estão reunidas no Biomapas, lançado nesta terça-feira 27/4 pela Petrobras.
Durante o trabalho de produção de petróleo na província petrolífera de Urucu, na região central do Estado do Amazonas, a empresa financiou um levantamento de espécies nativas locais, em parceria com centros de pesquisa da região.
O resultado deu origem a um livro, Biodiversidade na Província Petrolífera de Urucu, lançado em 2008. Agora, o material foi ampliado e transformado em fonte de consulta na internet.
No site, são encontrados textos explicativos com os nomes, características e curiosidades de espécies nativas vegetais como goiaba de anta, caroba, breu e pará-pará, e animais, como piaba e estalador-do-norte.
Os animais e vegetais catalogados estão distribuídos em um mapa que identifica o local em que foram encontrados. A visualização e pesquisa, de forma georreferenciada, são feitas por meio do Google Maps ou Google Earth.
Vídeos e fotos sobre expedições realizadas nos últimos anos por biólogos, engenheiros florestais e de coletores locais, entre outros especialistas ambientais, estão disponíveis no YouTube, Flickr e Picasa.

quinta-feira, 22 de abril de 2010

Mar de Aral na Ásia pode sumir por completo até 2020


O Mar de Aral, situado na Ásia Central entre o Cazaquistão e Uzbequistão está desaparecendo. O mar que já foi um dos quatro maiores da Terra perdeu surpreendentemente 40 mil km² desde a década de 80.

Imagens de satélite captadas pelo Envisat da agência espacial europeia mostram o processo de desaparecimento da água entre os anos de 2006 e 2009 e o que se vê é um pouco mais do que lagos dispersos. Cientistas acreditam que a parte do sul do Aral suma por completo até 2020.

A ação do homem na região é apontada como uma das causas de sua transformação. A água dos rios que desembocam no mar serve para a irrigação de cultivos na região.

A história mostra que no final dos anos 80, o Mar de Aral já havia se dividido em dois, o Aral Pequeno ao norte no Cazaquistão e o Aral Grande ao sul, compartilhado pelo Cazaquistão e Uzbequistão.

Até o ano de 2000, o Aral Grande sofreu uma nova divisão, a oeste e leste. Neste processo foi registrada a perda de 80% da capacidade da água na parte leste.

Ao longo dos anos o sumiço das águas deu lugar a um deserto de 40 mil km² que recebeu o nome de Aral Karakum. A transformação da paisagem também mudou o clima no local. As temperaturas têm sido mais baixas no inverno e mais altas durante o verão.

Atualmente, o governo do Cazaquistão e o Banco Mundial tentam salvar o Aral Pequeno através da construção de um dique na parte sul que já ajudou a elevar o nível das águas em 4 metros.
Foto: Imagem mostra o deserto de Aral Karakun, formado a partir do ressecamento do leito.

Sobre Belo Monte - Por Miriam Leitão

Por Miriam Leitão
Por 100 quilômetros o rio Xingu vai passar a ter uma vazão mínima de água, e, às margens dessa área, há tribos, ribeirinhos, floresta. Os técnicos do Ibama escreveram que não garantiam a viabilidade ambiental da hidrelétrica de Belo Monte. Duas das maiores empreiteiras do país desistiram porque acham arriscado demais economicamente. Mas o governo diz que fará o leilão.
Há dúvidas de todos os tipos sobre a hidrelétrica: ambiental, econômico-financeira e política. Por que ignorar tantas dúvidas? Por que leiloar a mais polêmica das hidrelétricas brasileiras a seis meses das eleições com um só grupo interessado? Por que tentar forçar a formação improvisada de um novo grupo, manipulando os fundos de pensão?
A primeira vez que se pensou em fazer essa hidrelétrica foi no auge do poder do governo militar, em 1975. Nem eles, com AI-5, sem audiências públicas, com um estado maior e mais insensato; nem eles, que fizeram Balbina, tiveram coragem de levar adiante o projeto.
O Ministério Público levanta dúvidas sobre várias questões, mas principalmente não entende a pressa do governo:
— Os técnicos do Ibama escreveram que não tiveram tempo de considerar as questões levantadas nas audiências públicas, escreveram que não tinham como garantir a segurança ambiental do empreendimento, há dúvidas sobre a viabilidade econômico-financeira e mesmo assim o governo diz que fará a obra — diz o procurador da República Bruno Alexandre Gutschow, do Pará.
Há vários outros pontos que estão sendo analisados pelo Ministério Público e novas ações podem ser propostas nas próximas horas. Eles entraram com duas ações pedindo a suspensão do leilão. E a vice-procuradora-geral da República, Débora Duprat, enviou um ofício ao presidente do BNDES exigindo respostas para várias perguntas: se o banco fez estudo da viabilidade econômico-financeira do projeto; quanto pretende financiar; se pesou o custo sócio-ambiental de deslocar 50 mil pessoas.
No mês passado, o Ministério Público tinha feito essas perguntas ao BNDES, e ele admitiu que desconhece os detalhes do empreendimento. Estranhíssimo. Ele será o grande financiador, como pode desconhecer?
O governo claramente está forçando a barra diante de todas as dúvidas. Ontem, a Aneel adiou o prazo de inscrição para participar do leilão. E, sem qualquer transparência, o governo tenta montar um novo consórcio.
O Ministério Público se perguntou numa das ações propostas: como manter a biodiversidade da área impactada pela redução da vazão de água? Como manter a segurança alimentar da população da área? Como garantir a navegabilidade do rio? Dúvidas que ficaram sem respostas porque os técnicos do Ibama disseram várias vezes em seus pareceres e de forma contundente o seguinte: “A equipe mantém o entendimento de que não há elementos suficientes para atestar a viabilidade ambiental do empreendimento.”
O pesquisador Francisco Hernandez, da USP, que estudou Belo Monte, define como um “monumento fluvial” o Rio Xingu, pela sua exuberante biodiversidade. O procurador Gutschow diz que há mais espécies de peixes lá do que em toda a Europa.
Mas alguém pode considerar que tudo isso deve ser sacrificado por uma hidrelétrica que será a terceira do mundo e que vai produzir 11 mil MW. Isso é um enorme engano. A produção média mal passará de 4 mil MW, e por três ou quatro meses no ano pode ser de meros 1 mil MW pelo regime das águas do rio.
Alguém pode argumentar que a hídrica é uma energia barata. É mesmo? A obra está calculada em R$ 19 bilhões, mas o que as empreiteiras estão dizendo é que talvez chegue a R$ 30 bi. Essa incerteza é que afasta muitos competidores. Além disso, há o custo não contado dos enormes linhões atravessando a floresta e muito distantes dos centros consumidores.
Pode-se argumentar também que se não forem feitas as hidrelétricas da Amazônia, restará ao Brasil a energia fóssil vinda do carvão, ou petróleo. É mesmo? Há inúmeras outras alternativas num país como o Brasil: biomassa, eólica, solar, eficiência energética, pequenas usinas, marés. A Coppe tem protótipo de usinas de marés, há estudos mostrando que se deveria estimular a autogeração renovável de fontes alternativas pelas indústrias.
Se você concorda com a ex-ministra Dilma, para quem nenhuma dessas fontes pode ser levada a sério, em grande escala, veja os números da Europa: A Alemanha no final de 2009 tinha 25.800 MW de energia eólica; a Espanha, 19.150 MW. Em toda União Europeia, 75 mil MW. Na Dinamarca, representa 20% da energia; em Portugal, 15%. Os Estados Unidos têm 35 mil MW. Isso sem falar do enorme potencial fotovoltaico (solar) do Brasil.
O Brasil explorou intensamente seu potencial hídrico, agora ele está em local distante, de grande impacto ambiental, com custos de construção e manutenção mais altos e incertos. A tendência agora é descentralizar a geração, e produzir barragens menores que reduzam o estrago ao meio ambiente. Enfim, quem pensa que só existe barragem ou fóssil precisa urgentemente atualizar seus conceitos.

Fonte: nosso futuro comum

segunda-feira, 19 de abril de 2010

Poder e lucro acima de tudo e todos

Democracia existe?

Provavelmente não!

O mundo vive hoje dominado por um império. E quem é o Imperador?

Imperadores não são eleitos. No entanto este não pode ser uma pessoa eleita em um governo que se diz democrático.

Mas o imperador continua a existir. É a Corporatocracia, ou seja, "o governo é das Grandes Empresas", onde a base do sistema é a corrupção, onde a ditadura da elite impera com o objetivo de maximizar lucros, independente do impacto social e ambiental que pode ser causado.

Democracia existe?

Com toda certeza não.

Democracia não existe em um sistema que é comandado por corporações. O Império não é ético, não serve ao bem estar das pessoas, e sim, defende a economia baseada na competição, no livre comércio. Livre comércio não é democracia pois significa auto interesse, que resulta em:

-corrupção;

-consolidação de poder e riquezas;

-camadas sociais e;

-paralisia tecnológica.

Vivemos em um império comandado por uma corporatocracia que estabelece, define os limites do sistema monetario que rege a economia mundial. Este sistema mantém o mecanismo de auto preservação que coloca em risco o bem estar social e ambiental atrás da necessidade de ganho monetário, causando:

-impactos ambientais;

-monopólio e;

-redução da força de trabalho em busca do objetivo principal - o Lucro.

No atual sistema em que estamos vivendo é difícil confiar nas pessoas, pois o que unicamente importa é o Lucro. É importante frisar esta palavra, por que a base do sistema é o Lucro.


Luciane Puglisi Marreto

domingo, 18 de abril de 2010

Nao é demostração de saúde ser bem ajustado a uma sociedade profundamente doente.
Jiddu Krishnamurti - Zeitgeist Addendum
Ninguem é mais escravo do que aquele que falsamente se acredita livre.
Johann Wolfgang Von Goethe - 1749-1832
Zeitgeist Addendum

quinta-feira, 15 de abril de 2010

Escolas Municipais entram na era digital

Por ação da Diretoria de Ciência e Tecnologia/Secretaria Municipal de Educação de Anápolis, a Prefeitura acelerou o processo de informatização das escolas municipais. Por meio de convênio com o Programa Nacional de Informática na Educação(ProInfo) do Ministério da Educação, a prefeitura adquiriu todos os equipamentos necessários para instalar modernos espaços digitais nas unidades escolares.

Escolas com menos de 800 alunos ganharam 18 computadores completos com monitor de LCD e impressora a lazer. Escolas com mais de 800 alunos terão dobrado o kit de informática. “Anápolis é uma cidade privilegiada, pois não são todas as cidades que conseguem tão rapidamente a materialização do convênio com o ProInfo”, diz a Secretária Municipal de Educação Ciência e Tecnologia, professora Virgínia Melo, exaltando o trabalho da Diretoria de Ciência e Tecnologia no sentido de conseguir os espaços digitais.


Emocionado com tudo o que estava acontecendo, o prefeito Antônio Gomide declarou que sua administração tem dado passos importantes pra beneficiar a cidade, e inúmeras atividades tem sido executadas. “Temos trabalhado pela cidade, e feito a diferença, mas o que me faz extremamente feliz, é quando o investimento é direcionado à educação, porque estamos convictos de que quando os investimentos são para a educação, estamos promovendo mudanças significativas que alcançarão uma geração”. O prefeito disse que a implantação dos espaços digitais nas escolas dará dignidade às crianças e contribuirão e para dotar a escola de condições para ser um local prazeroso para a criança e adolescente, convertendo-se em um lugar que lhe dá satisfação em ir e onde vai não apenas por imposição dos pais.

“Os espaços digitais contribuirão, também para transformar Anápolis em uma cidade digital”, disse o prefeito. Considerando, inclusive, que 30 mil crianças do ensino fundamental terão acesso ao computador, em Anápolis cai por terra a estatística nacional apresentada pela professora Lídia Karla, da escola João Luiz de Oliveira, que discursou representando seus colegas diretores, de que no país apenas 17% dos estudantes de Ensino Fundamental das escolas públicas dispõem desta nova ferramenta de ensino. Em Anápolis, o percentual de estudantes do Ensino Fundamental chega a 100% de acesso à informática, com o aparelhamento digital das escolas públicas municipais.

Primeiro a discursar, o diretor de Ciência e Tecnologia, Fabrízio Ribeiro, declarou que os espaços digitais representarão uma inovação na Rede Municipal de Educação, e quer que Anápolis passe a ser referência no estado, quiçá no país.


A Neve do Canadá está pintada de Vermelha


O abate anual de focas, no Canadá, continua apesar da indignação internacional. Foi com horror que se assisitiu, no ano passado, ao abate de mais de 330 000.Todos os anos, centenas de milhares de focas são mortas, esfoladas e arrastadas pelo gelo.

Com 3 semanas de vida, as focas não têm qualquer possibilidade de escapar aos caçadores, que chegam ao Canadá em grupos. Estes cercam as pequenas focas para as matarem, dando-lhes pauladas. Muitas vezes, os animais ainda estão vivos quando lhes arrancam a pele...

Em 1983, a União Europeia baniu a importação de produtos oriundos da caça das focas bebés.
Contudo, vários estilistas da Europa continuam a usar a pele de foca na confecção das suas colecções e a carne e o óleo de foca são também importados.


“A grandeza de uma nação e o seu progresso moral podem ser avaliados pelo modo como os seus animais são tratados.”
-Mahatma Gandhi

Fonte: oplanetaquetemos.blogspot.com

quarta-feira, 14 de abril de 2010

Seminário debate desenvolvimento, meio ambiente e cultura

A Fundação Mauricio Grabois, ente outros parceiros, organiza o Seminário sobre o Centro-Oeste: desenvolvimento, meio ambiente e cultura. O evento acontece entre os dias 23 e 24 de abril na Faculdade de Enfermagem e Nutrição (FEN-FANUT-UFG), no Setor Universitário, em Goiânia.
O Seminário sobre o Centro-Oeste: desenvolvimento, meio ambiente e cultura se realizará entre os dias 23 e 24 de abril no Auditório da Faculdade de Enfermagem e Nutrição (Av. Universitária com 1ª Avenida s/n, Setor Universitário), em Goiânia.
O evento tem como principal objetivo contribuir em diversos níveis – federal, estadual e municipal – na elaboração de macropolíticas que tenham como eixo norteador, conquistar condições de vida digna para toda a população e um meio ambiente equilibrado e saudável.
Segundo o professor Silvio Costa, diretor da Fundação Maurício Grabois em Goiás e organizador do Seminário, após as discussões nas mesas temáticas vão ser apresentados diagnósticos e na Plenária final será apresentada uma síntese das questões fundamentais e de uma plataforma de lutas. “Claro que o intuito maior do Seminário é subsidiar as pessoas que atuam na área nos municípios e nos estados que fazem parte da região Centro-Oeste” – aponta Silvio.
De acordo como professor, a meta é atingir neste primeiro debate as pessoas que trabalham na área ambiental e desenvolvimento econômico nos municípios, estudiosos do assunto, como professores, mestrandos e estudantes em geral.
Para Silvio Costa, outro objetivo importante do Seminário é contribuir para a superação da predominância de macropolíticas. “Legisladores e administradores públicos atendem o tema com pouco interesse, outros setores são movidos por interesses mercadológicos que acabam ocupando o solo de forma desordenada e predatória, seja no campo, ou seja, nas cidades. Temos que usar nossas ferramentas para não deixar que isso aconteça.” – assinala o professor.
A abertura do evento acontecerá às 15 horas do dia 23, sexta-feira com término marcado para às 22 horas. No sábado, dia 24, o Seminário terá inicio às 9 horas. A Plenária final acontece das 17 às 19 horas.
A Fundação Mauricio Grabois organiza o evento e tem como parceiros a Pró-reitoria de extensão e cultura da Universidade Federal de Goiás, o Instituto de Estudos Sócio-Ambientais/UFG, SINPRO-Go, APUC, SINT-IFESgo, SBPC-Regional Centro-oeste, Pontão de Cultura República do Cerrado, AMMA e Central dos Trabalhadores e Trabalhadoras do Brasil.
Biodiversidade
O Cerrado é cortada por três das maiores bacias hidrográficas da América do Sul e cobre quase toda a extensa região Centro-Oeste, ocupando uma área superior a 2 milhões de km², cerca de 23% do território brasileiro.Os estados de Mato Grosso, Mato Grosso do Sul, Goiás, Minas Gerais, Piauí, Distrito Federal, Tocantins e parte dos estados da Bahia, Ceará, Maranhão, São Paulo, Paraná e Rondônia abrangem o Cerrado. Entretanto, o Cerrado e o Pantanal vem sendo indiscriminada e aceleradamente alterada pela destruição de seu hábitat, pelo desmatamento e introdução de espécies exóticas invasoras.
Mais informações e inscrições: (62) 3225-6539 ou fundacaomauriciograbois.go@gmail.com
Da redação local,
Eliz Brandão

terça-feira, 13 de abril de 2010

Belo Monte. Um projeto que deve ser cancelado. Entrevista especial com Guilherme Zagallo


Na última terça, dia 06 de abril, foi divulgado o relatório Missão Xingu: Impactos socioambientais e violações de direitos humanos no licenciamento da Usina Hidrelétrica de Belo Monte. A IHU On-Line entrevistou, por telefone, com um dos relatores do documento, o advogado Guilherme Zagallo, que falou sobre as violações deste projeto aos direitos humanos e os seus impactos para a população e o ambiente local. “O município deve dobrar de tamanho. Hoje são 100 mil habitantes, e está prevista a migração de mais 96 mil pessoas. Essas pessoas que migrarão, em torno de 17 mil no pico da obra, trabalharão na construção. Só que essas pessoas não têm a qualificação necessária para a operação. A operação da usina vai movimentar apenas 700 pessoas. Passada a obra, ficará um caos social no município”, explica Zagallo.

Guilherme Zagallo é vice-presidente da seccional maranhense da Ordem dos Advogados do Brasil. É também relator nacional de direitos humanos da Rede de Direitos Humanos Plataforma Dhesca Brasil [1].

Confira a entrevista aqui.


quinta-feira, 25 de março de 2010

Dia da Inclusão Digital


No dia 27 de Março é comemorado o Dia da Inclusão Digital e a Prefeitura Municipal de Anápolis por intermédio da Diretoria de Ciência e Tecnologia promoverá ações de inclusão digital.
A programação ocorrerá durante todo o dia 26 de Março no Telecentro (localizado na Biblioteca Municipal Zeca Batista), Ponto de Cultura (Praça Bom Jesus), Expresso Digital e Centro de Formação (Av. São Francisco, ao lado da antiga Osego) e dia 27 no período vespertino no Centro de Formação.
As inscrições serão feitas pelo telefone 3902 1016 ou pessoalmente na Diretoria de Ciência e Tecnologia no prédio da Secretaria da Educação.

terça-feira, 23 de março de 2010

HORA DO PLANETA


No sábado, 27 de março, entre 20h30 e 21h30 (hora de Brasília), o Brasil participa oficialmente da Hora do Planeta. Das moradias mais simples aos maiores monumentos, as luzes serão apagadas por uma hora, para mostrar aos líderes mundiais nossa preocupação com o aquecimento global.


A Hora do Planeta começou em 2007, apenas em Sidney, na Austrália. Em 2008, 371 cidades participaram. No ano passado, quando o Brasil participou pela primeira vez, o movimento superou todas as expectativas. Centenas de milhões de pessoas em mais de 4 mil cidades de 88 países apagaram as luzes. Monumentos e locais simbólicos, como a Torre Eiffel, o Coliseu e a Times Square, além do Cristo Redentor, o Congresso Nacional e outros ficaram uma hora no escuro.

Existem diversas formas de participação. A primeira delas é se cadastrar. Clique aqui e informe os dados necessários. É bem rápido. O cadastro dos participantes é a principal maneira que temos de avaliar quantas pessoas apagaram as luzes. Os participantes brasileiros serão somados com os de outros países, formando uma grande corrente pelo futuro do planeta. Os nomes das empresas cadastradas vão aparecer na página Quem Já aderiu. Clique aqui e veja a lista de quem já aderiu.

O próximo passo é espalhar a mensagem da Hora do Planeta para o maior número possível de pessoas. Convide familiares, amigos, colegas e membros da sua comunidade para participarem também.

Se você utiliza as mídias sociais, como Orkut, Twitter, Youtube e Facebook, use essas ferramentas para falar com os seus amigos. Publique as notícias sobre a Hora do Planeta produzidas pelo WWF-Brasil. Dê o link para vídeos e fotos sobre o movimento postados na internet.

Saiba o que acontece no mundo inteiro na Hora do Planeta. Clique aqui ou acesse www.earthhour.org.

segunda-feira, 22 de março de 2010

Dia Mundia da Água


Tanta água disponível é incentivo ao desperdício!


70% da Terra é constituída por água, mas apenas 2,2% do recurso está disponível na superfície do planeta para ser usado pelo homem.


Você acha pouco?


Segundo a ONU, a quantidade seria mais do que suficiente para que toda a população vivesse de forma digna, se não houvesse tanto desperdício e poluição no mundo!


Aproveite a data de hoje - DIA MUNDIAL DA ÁGUA - para começar a repensar suas atitudes em relação ao consumo desse recurso tão valioso!

quarta-feira, 17 de março de 2010

Manifesto em Defesa da Lagoa de Santa Cruz de Goiás


Ao
Dom Guilherme
Bispo da Diocese de Ipameri


Dom Guilherme,

A Associação dos Amigos de Santa Cruz e a comunidade santa-cruzense se veem angustiadas diante da atual situação do nosso mais belo cartão postal. Antes, a água era límpida. Hoje, não há mais água, há apenas uma camada de algo sem vida, sobrepondo à lagoa.
Estamos estarrecidos! Vemos, a olhos nus, mais um patrimônio sendo engolido pela falta de cuidado de todos nós que dizemos amar Santa Cruz.
A Lagoa está contaminada!!!
Culpam as garças, que lá pousam todas as noites.
Se forem as garças, vamos espantá-las....
Se não forem as garças, veremos quem são os responsáveis, pela cruel e sangrenta destruição de mais um bem simbólico.
. A lagoa esteve sob os cuidados do Pároco do município de Santa Cruz de Goiás, junto ao Conselho Paroquial (que, tanto quanto nós, temem uma catástrofe, não só com o patrimônio, mas, também, com a saúde pública)
Solicitamos, respeitosamente, da Diocese de Ipameri, as devidas providencias, para que seja identificada a causa da poluição de nossa fonte natural: açude que serviu água aos mineradores na época da mineração em Goiás.
Enviamos anteriormente um abaixo – assinado, pedindo carta de sessão para que cuidássemos do espaço. Não recebemos resposta.
Mais uma vez, dirigimos à Diocese, com urgência.
Salvem nossa lagoa!!!

É só isso que queremos!!!

Para assinar, copie o Manifesto em seu word, coloque nome e CPF e envie para o email:

diocesedeipameri@g8net.com.br

terça-feira, 9 de março de 2010

A carta do índio


Quando o homem cospe sobre a terra, está cuspindo sobre si mesmo.

De uma coisa nós temos certeza: A terra não pertence ao homem branco;

O homem branco é que pertence à terra. Disso nós temos certeza.

Todas as coisas estão relacionadas como o sangue que une uma família.

Tudo está associado.

O que fere a terra fere também aos filhos da terra.

O homem não tece a teia da vida: É antes um dos seus fios.

O que quer que faça a essa teia, faz a si próprio.


Cacique Seattle, da tribo Suquamish, do Estado de Washington - 1855

quarta-feira, 24 de fevereiro de 2010

Liderança do PCdoB e Fundação debatem Código Florestal


A liderança do Partido Comunista do Brasil (PCdoB) na Câmara do Deputados e a Fundação Maurício Grabois realizaram, dia 23 de Fevereiro, o seminário “Código Florestal: desenvolvimento e defesa do meio ambiental”. A programação iniciou com a apresentação do Diretor de Meio Ambiente da Fundação Maurício Graboi Aldo Arantes.
Em seguida Renato Rabelo, Presidente Nacional do PCdoB em sua fala fez um resumo do quadro nacional e mundial do modelo de desenvolvimento econômico fazendo uma relação com o desenvolvimento sustentável. O capitalismo causa um desenvolvimento desigual no quadro mundial gerando a hegemonia de alguns países. Os países em vias de desenvolvimento necessitam de um desenvolvimento acelerado e contínuo, mas em contrapartida a degradação ambiental também é intenso e acelerado. Deste modo o partido defende o desenvolvimento do Brasil de forma acelerada e contínua para resolver os problemas sociais, mas de forma equilibrada e sustentável ambientalmente.
Desta forma o partido tem provocado discussões em prol de uma legislação mais eficiente e segura.
O Deputado Michelleto (PMDB/PR - Presidente da Comissão do Código Florestal) propõe a modificação da legislação ambiental brasileira por defender que a legislação atual é fragmentada em número e conteúdo, ideológica, sem base científica, independente historicamente, incoerente e ineficiente por não proteger o meio ambiente e dificultar o desenvolvimento econômico do país.
Um fator importante do seminário é a participação e o conhecimento público dos debates e discussões que estão ocorrendo na Câmara do Deputados. É possível perceber um consenso entre os deputados a respeito da importância da reformulação da legislação do Código Florestal. Defendem que a proteção ambiental deve se tornar lucrativa, que os fatores históricos devem ser levados em consideração e que principalmente a comunidade científica deve estar a frente das discussões e das pesquisas em relação à riqueza da biodiversidade existente no país.
O Deputado Rodrigo Rollemberg, Líder do PSB disse: “Estamos matando a galinha de ovos de ouro destruindo os biomas brasileiros”. Ele se refere à destruição do Bioma Cerrado e da Amazônia através da incompatibilidade econômica e a falta de investimento em pesquisa ocorrida nestes biomas.

Luciane Puglisi Marreto

Presidente EPA Barrus